REDES

MPEs esperam aumento das vendas com a Copa do Mundo

Em média, 47% das microempresas de variados segmentos acreditam em aumento das vendas ou da prestação de serviços em decorrência da Copa do Mundo Fifa, que se realiza na Rússia. Dos setores com expectativa positiva, lideram o ranking os empresários de MPEs que trabalham com moda - costura e confecção de roupas e acessórios (57%), seguidos dos grupos de  alimentação - bares, lanchonetes, cafés, restaurantes e minimercados (55%), e de transporte - taxistas, motoristas particulares e frotas (47%).

Esse é o resultado de sondagem feita pelo Serasa Empreendedor, braço da Serasa Experian, instituição parceira da Federaminas em serviço de proteção ao crédito prestado através de diversas  associações comerciais do Estado. A pesquisa foi realizada neste mês com 2.112 participantes de variados segmentos, e mostra que, de outra parte, as microempresas do segmento de saúde - médicos, dentistas, psicólogos e veterinários, são as que menos acreditam em melhoria nos seus negócios durante o período do evento esportivo.

A sondagem revela que, na média, para 47% dos empreendedores de MPEs pesquisados haverá reflexo positivo da competição mundial de futebol nas vendas ou prestação de serviços, ao passo que 19% projetam redução na atividade e 34% não creem em alterações em seus negócios.



O gerente do Serasa Empreendedor, Eduardo Crivelari, observa que o otimismo evidenciado pela pesquisa revela que as microempresas, notadamente as que têm atividades mais relacionadas com o evento da Fifa, estão atentas para alinhar estratégias de negócios ao significativo potencial de vendas gerado pela competição. Para ele, é importante que os empreendedores aproveitem grandes datas e acontecimentos como esse para buscar o crescimento dos negócios.

  A sondagem também evidenciou a decisão de investir recursos em função do torneio de futebol entre os segmentos mais otimistas com as oportunidades de alavancar vendas ou serviços. A área de alimentação, segundo lugar no ranking de expectativas positivas, liderou os investimentos (26%), seguida por varejo (13%), obras e construção (8%) e moda (7%).   Do universo de 28% das microempresas pesquisadas que decidiram investir motivadas pela Copa do Mundo, 32% delas colocaram  recursos em novas linhas de produtos ou serviços específicos para o evento, 25% buscaram o aumento de produção, 22% criaram nova linha de produtos/serviços que vão além da competição, e 10% aplicaram em novas tecnologias. 

(com Sala de Imprensa/Serasa)