REDES

Governo autoriza abertura de shoppings e flexibiliza o funcionamento de salões de beleza

O Governo de Minas anunciou a liberação de funcionamento de shoppings em todas as ondas do Minas Consciente. O anúncio foi feito durante entrevista coletiva nesta quinta-feira (04/06), pelo secretário-adjunto de Desenvolvimento Econômico, Fernando Passalio, que teve a participação do secretário de Estado de Saúde, Carlos Eduardo Amaral. De acordo com balanço do governo, 110 municípios aderiram ao programa Minas Consciente, o que corresponde a uma população de 3 milhões de mineiros.

O que mudou em relação aos shoppings é que eles deixam de ser zonas proibidas no que tange o funcionamento nas ondas. As lojas no interior dos shoppings poderão funcionar na mesma dinâmica, sempre respeitando os limites da respectiva onda que cada município aderiu.  

De acordo com o secretário, os estabelecimentos comerciais para abrir devem seguir os protocolos respectivos de cada onda. "Se o município está na onda verde, os shoppings poderão funcionar, e as lojas do seu interior, seguindo os limites do segmento da onda verde. O município que estiver na onda branca, as lojas do shopping poderão funcionar tanto dos segmentos da onda verde quanto onda branca e assim sucessivamente", exemplificou Fernando Passalio.  

Nos shoppings, está liberado apenas o comércio e não o entretenimento. Haverá limitação de fluxo, carros, proibição de atividades de lazer e entretenimento, medição de temperatura e outras medidas para seu funcionamento. O Governo criou um protocolo específico para a liberação da atividade, com várias restrições.  

Além dos shoppings, mudanças nos protocolos sanitários flexibilizam outros segmentos econômicos. Os salões de beleza saíram da onda vermelha, com protocolos mais rígidos diante de maior risco de transmissão, para a zona amarela. Os hoteis passaram para a onda verde, em que estão incluídos serviços essenciais.  

Outra mudança anunciada pelo Governo é que os municípios da Região Noroeste, que estavam na onda branca, retrocederam para a onda verde.

Também foi informado pelo governo nova data para o pico da doença, 19 de julho, com a confirmação de 2.047 novos casos.