REDES

Federaminas recebe Dallagnol para lançar campanha contra a corrupção

O envolvimento efetivo da sociedade civil na campanha Unidos Contra a Corrupção, iniciativa da Transparência Internacional em  coalizão com o Observatório Social do Brasil e outras instituições, foi defendido pelo coordenador da Força-Tarefa Lava Jato no Ministério Público Federal (MPF) em Curitiba-PR, procurador da República Deltan Dallagnol, ao reunir-se com lideranças empresariais na Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Estado de Minas Gerais (Federaminas) nesta sexta-feira (20).

 

No evento o presidente da Federaminas, Emílio Parolini, formalizou o primeiro apoio de uma entidade empresarial mineira à campanha Unidos Contra a Corrupção, anunciando que o movimento vai ser disseminado entre todas as associações comerciais integrantes do sistema.

 

O procurador Deltan Dallagnol iniciou sua fala elogiando a iniciativa da Federaminas, com o apoio institucional das demais entidades empresariais mineiras, de implantar uma filial  do Observatório Social do Brasil (OSB) no Estado, bem como de manifestar a sua adesão ao movimento Unidos Contra a Corrupção. O coordenador da Lava Jato sustentou que é da maior importância o suporte dos mineiros a  iniciativas que concorrem para o controle da corrupção.

 

“A Lava Jato não é suficiente para atingir esse objetivo, não basta retirar ‘frutas podres’ do cesto, é preciso mudar as condições políticas que contribuem para gerar a corrupção”, enfatizou Dallagnol. Ele acrescentou que sem o combate à corrupção o Brasil não conseguirá alcançar o estágio de país desenvolvido, porque esse é um dos fatores que pioram o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de uma nação e também prejudicam o ambiente de negócios.

 

O procurador apontou a Transparência Internacional como uma das  principais instituições que cuidam do combate à corrupção no mundo, e disse que o pacote de 70 medidas defendido pela campanha Unidos Contra a Corrupção foi elaborado por cerca de 200 especialistas. Entre essas propostas, ele citou melhorias nos critérios para indicação dos membros do Supremo Tribunal Federal (STF), redução para apenas 16 do número de pessoas com foro privilegiado, extensão da ficha limpa a todos os funcionários públicos, exigência de transparência e democracia nos partidos políticos, necessidade de política de integridade nas maiores empresas.

 

Ao reafirmar a necessidade da participação dos cidadãos nesse esforço, Deltran Dallagnol afirmou que a sociedade deve ser a construtora das mudanças corretivas para acabar com esse velho problema no País. Por isso, sugeriu que cada pessoa assuma o compromisso de divulgar para outras três os objetivos da campanha Unidos Contra a Corrupção.

 

Na parte final da reunião, empresários focalizaram com o coordenador da Força-Tarefa Lava Jato questões como esclarecimento aos candidatos às próximas eleições sobre as propostas de medidas anticorrupção; conscientização das futuras gerações em torno do tema através da educação; apoio da Ocemg ao movimento; simplificação da legislação tributária; entre outras.

 

Estiveram presentes no evento na Federaminas representantes de Sebrae-MG, Fiemg, Fecomércio-MG, Ciemg, ACMinas, ACE de Nova Lima, Ocemg, Conselho Federal de Contabilidade, Sindimon-MG, Mude, Matur, Mulheres da Inconfidência e Ministério Público Federal.

 

 

 

 

 

 

Assessoria de Comunicação da Federaminas