REDES

Empreender tem avaliação positiva dos empresários

Pesquisa feita pela Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil (CACB) mostra os resultados da retomada do  Empreender, que durou de 2015 a 2017. Participaram da avaliação 1.774 empresários de Minas Gerais, Bahia, Mato Grosso, Rio Grande do Sul e Pernambuco, estados envolvidos nessa etapa, evidenciando o sucesso e os benefícios do programa.

O coordenador executivo da CACB, Carlos Rezende, explica como esse estudo beneficia indiretamente o empresário na ponta: "Percebemos que os resultados foram obtidos mais rapidamente do que em versões anteriores. Isso nos permite estudar melhorias para as futuras edições do projeto e aumentar a qualidade dos resultados percebidos pelos empresários".

Perfil - A pesquisa incluiu questões pessoais, como gênero e grau de escolaridade, com a proposta de traçar um perfil dos empresários participantes. Em relação a gênero, 56% são do sexo feminino. O resultado mostra que as mulheres têm encontrado no Empreender  ambiente favorável para o desenvolvimento de seus negócios e realça o fortalecimento do papel da mulher empresária na economia.

O DataSebrae, plataforma criada para apoiar os pequenos negócios com informações relevantes sobre o mercado, em 2014, estimou que apenas 32% dos empreendedores do País são mulheres, ou seja, o Empreender quebra esse padrão, apresentando uma média de mulheres maior do que de homens empreendedores.

Outro ponto revelado na pesquisa foi em relação à escolaridade dos participantes: 25% dos empresários responderam possuir bacharelado. Comparando com a média nacional, na qual 16% dos empresários afirmam ter o ensino superior incompleto ou mais, o Empreender mostra um alto grau de escolarização de seus participantes e colaboradores, o que influencia no sucesso de estratégias e planos de ação implementados.

Segundo dados do DataSebrae de 2014, a taxa de sobrevivência média das empresas é de dois anos. O tempo de vida médio das empresas participantes é de 11 anos, o que demonstra que as vinculadas ao Empreender já passaram dessa fase crítica e buscam  fortalecer seus negócios, não apenas a perenidade.

O Empreender foi avaliado de forma positiva. Em todos os estados participantes, mais de 70% dos empresários disseram ter havido melhoria na qualidade dos produtos e serviços ofertados. O programa trabalha, com eficiência, os aspectos técnicos das MPEs brasileiras nos mais diferentes aspectos, desde o empoderamento feminino até a melhoria de produtos e serviços. Isso gera um impacto municipal, estadual e setorial", destaca o estudo.  

A avaliação média dos empresários foi de 8,4 pontos, sendo que as notas variavam de 0 (zero), como "muito insatisfeito", a 10 (dez), como "muito satisfeito", sendo a maior porcentagem de respostas a de nota máxima. Os empresários que afirmaram ter obtido lucro relataram uma porcentagem maior que 15% em todos os estados. Pernambuco é o que está à frente na pesquisa, apresentando dados que apontam aumento na produtividade.

Além disso, houve crescimento no número de clientes e ampliação do mercado de atuação. Em sua maioria, as empresas afirmam ter tido melhoria dos negócios localmente, o que realça a importância do programa para melhoria da economia de cada município.