REDES

Zema anuncia novidades no Minas Consciente

Programa dará maior autonomia às cidades e terá três ondas

O governador Romeu Zema anunciou, na tarde desta quarta-feira (29/07), as mudanças do Minas Consciente. Na semana passada, ele foi alvo de uma consulta pública com o objetivo de atualizar e aprimorar o programa. A Federaminas encabeçou a coleta de sugestões junto às associações comerciais em todo o Estado e entregou ao Governo um documento com as contribuições, de tal forma que boa parte delas está nesta nova versão do Minas Consciente apresentada pelo governador. "Estamos muito esperançosos com as mudanças propostas e muito satisfeitos por termos atuado, mais uma vez, como parceiros deste governo e dos empresários neste momento difícil", avaliou Valmir Rodrigues, presidente da Federaminas.



  A partir do dia 1º de agosto, quando começam a vigorar legalmente as mudanças do programa, o Minas Consciente terá três ondas - e não quatro como era anteriormente. As cores que simbolizam as fases também mudaram e agora passam a ser: vermelha, amarela e verde. A onda vermelha será aplicada aos municípios e regiões com mais dificuldades no combate ao vírus, e neles estarão autorizados a funcionar apenas os serviços essenciais. A ondaamarela será para as cidades que estão em condição intermediária, e nelas poderão funcionar as atividades tidas como não essenciais. E a ondaverde será implementada nos municípios em condições mais seguras e, por isso, poderão abrir estabelecimentos comerciais considerados de alto risco. A onda branca, presente na primeira versão do programa, foi extinta. O grupo de atividades autorizadas a funcionar aumenta de acordo com o avanço das cidades pelos estágios.  



É importante ficar atento, porque na nova versão do programa Minas Consciente, a lógica das cores também sofreu alteração. Anteriormente, a onda verde se referia às cidades onde apenas os serviços essenciais funcionavam. Com a mudança, a onda verde será adotada pelas cidades em que a situação da Covid-19 estiver menos crítica. As academias de ginástica, por exemplo, vão compor o terceiro estágio do programa. Até a data de hoje, 305 municípios aderiram ao programa, o que impacta mais de 7 milhões de mineiros.



O governador fez questão de ressaltar que a nova versão do Minas Consciente não quer dizer relaxamento. Foram feitos aprimoramentos e ajustes, mas a população e as empresas devem continuar com todos os protocolos de prevenção ao coronavírus.



  Municípios terão mais autonomia


Os municípios poderão escolher seguir as diretrizes adotadas pelas macro ou pelas microrregiões de saúde das quais fazem parte. As cidades com menos de 30 mil habitantes terão tratamento diferenciado. Para justificar essa divisão, o governador citou como exemplo o transporte público, que é um dos principais focos de transmissão do vírus por haver aglomeração de pessoas. Em cidades pequenas, que são a grande maioria dos municípios de Minas Gerais, não têm transporte coletivo, as distâncias percorridas são pequenas. Nesse sentido, os municípios com menos de 30 mil habitantes podem avançar ao segundo nível. Para tanto, taxa de incidência da doença precisa ser inferior a 50 casos por 100 mil habitantes nas últimas duas semanas. 


O Minas Consciente será norteado por um protocolo único. Para determinar os níveis atribuídos aos municípios, uma série de critérios será levada em conta. Os indicadores municipais, analisados semanalmente pelo Comitê de Enfrentamento à Covid-19, são:
 

  • taxa de incidência do coronavírus;
  • taxa de ocupação geral de leitos;
  • taxa de ocupação dos leitos destinados aos infectados;
  • leitos por 100 mil habitantes;
  • índice de transmissão da doença (Rt);
  • percentual do aumento de incidência da doença;
  • quantidade de testes positivos. 


  Assessoria de Comunicação da Federaminas