REDES

Cônsul-geral da Grã-Bretanha expõe interesse em investimentos no Brasil



Os indicadores positivos da economia brasileira recebem o elogio do cônsul-geral da Grã-Bretanha em São Paulo, Martin Raven, que recomenda aos investidores do Reino Unido a aplicação de capitais no Brasil, em investimentos diretos e em parcerias com empresas nacionais. A avaliação do diplomata foi feita durante Café Empresarial promovido em 25 de julho pela Federaminas, onde ele se reuniu com o presidente da entidade, Wander Luis Silva, e dirigentes de Associações Comerciais de diversos municípios mineiros.

Raven, que esteve na capital mineira por três dias desenvolvendo contatos com as áreas governamentais e empresariais para conhecer melhor a economia do Estado e oportunidades de investimento no setor produtivo mineiro, estimou que o Brasil tem potencial para se transformar na solução para suprir a demanda mundial de alimentos e energia.

Acompanhado do cônsul honorário da Grã-Bretanha em Belo Horizonte, José Antônio de Sousa Neto, ele mostrou na Federaminas o seu interesse em promover o intercâmbio bilateral de negócios, agora que o Brasil melhorou seus indicadores econômicos e mantém aberta a sua economia.

"Em minha próxima viagem à Inglaterra, em outubro, vou dizer que vale à pena investir no Brasil e formalizar parcerias com seus empresários", anunciou o cônsul-geral, que se disse impressionado com a dimensão de Minas Gerais e o seu potencial para receber investimentos estrangeiros. Ele lembrou a forte presença inglesa neste Estado durante o século 18, na exploração de ouro em Nova Lima, e justificou que no século 20 a participação inglesa na economia brasileira registrou forte retração devido ao protecionismo vigente, quadro que agora se modificou.

Prioridades – Martin Raven informou que os ingleses priorizam negócios nas áreas financeira, de parcerias público-privadas – como em escolas, rodovias, presídios, etc. -, energia convencional e alternativa (biocombustíveis), aeroespacial, saúde, farmacêutica, tecnologia da informação, design, alimentação, bebidas, educação e treinamento profissional.

O presidente da Federaminas, Wander Luis Silva, destacou a oportunidade da visita do cônsul-geral para a abertura de contatos com o empresariado mineiro e o favorecimento de futuros negócios com os países que integram o Reino Unido.

Por sua vez, o vice-presidente da entidade Francisco Alves Guimarães, de Nova Lima, fez referência a diversos aspectos do legado britânico na cultura do município, fruto da ativa participação inglesa na economia nova-limense através da extração de ouro.

Durante o encontro, os presidentes das Associações Comerciais de Timóteo, Everaldo Silveira, de Araxá, Emílio Parolini (ambos vice-presidentes da Federaminas), de Santa Luzia, Hélio Pereira, da ACMinas, Charles Lotfi, de Prata, Elson Alves Ferreira, o diretor da AC do Ceasa (Contagem), Dimas Tadeu, e o diretor da Unipac Vale do Aço (Ipatinga), Walter Teixeira, expuseram as potencialidades de seus municípios para a recepção de investimentos estrangeiros.