REDES

Pró-Município vê demandas de cidades-polo no Estado

A realização de um diagnóstico situacional envolvendo  potencialidades e demandas prioritárias das comunidades de cidades-polo do Estado  dá início à implementação do Pró-Município, projeto direcionado ao desenvolvimento local que a Federaminas realiza em parceria com o governo estadual, através da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig). Este levantamento vem sendo elaborado de forma conjunta em reuniões de consultores da entidade com lideranças dos diferentes segmentos em cada localidade.

 

O projeto foi apresentado durante os mês de junho e julho a 23 comunidades em eventos realizados nos municípios de Barão de Cocais, João Monlevade, Belo Oriente, Governador Valadares, Conceição do Mato Dentro, Ouro Preto, Além Paraíba, Santa Vitória, João Pinheiro, Unaí, Carmo do Cajuru, Arcos, Piumhí, São Roque de Minas, Muzambinho, Campos Gerais, Diamantina, Turmalina, Capelinha, Minas Novas, Salinas, Porteirinha e Janaúba. Também foi levado a Paraopeba, onde será executado em parceria com a Federação da Agricultura (Faemg), e Angelândia, em iniciativa própria da Federaminas. Em data a ser agendada, será exposto em Sacramento e São João Del Rei.

 

De acordo com o presidente da Federaminas, Emílio Parolini, esses eventos mobilizaram mais de 2 mil pessoas formadoras de opinião em suas comunidades, incluindo representantes de instituições religiosas, entidades de classe e clubes de serviços, e tiveram ampla participação de membros de legislativos e executivos municipais. Foi unânime a avaliação dos prefeitos de que o Pró-Município representa uma ferramenta de grande relevância para alavancar o  desenvolvimento local. E, também, um privilégio receber esse planejamento estratégico sem custo para os cofres públicos.

 

O Pró-Município desenvolve-se em etapas. A primeira, de sensibilização das comunidades, seguida de elaboração de diagnóstico de potencialidades e prioridades, constituição de conselhos consultivo e deliberativo, aprovação de lei específica no município e criação das câmaras setoriais responsáveis pela definição de ações.

 

A execução do projeto resultará na entrega à Codemig do planejamento estratégico de cada cidade envolvida, com uma análise comparativa dos indicadores econômicos e sociais pré e pós execução do Pró-Município, tais como renda, número de habitantes, Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), renda per capita e outros dados relevantes. O objetivo geral é planejar o desenvolvimento municipal para os próximos cinco, 10 e 15 anos.

 

Parolini diz que o momento realça a importância da gestão, sendo especial para se realizar projeto dessa natureza. Isto  porque, enquanto Brasília discute a permanência ou não de Michel Temer na presidência da República, o projeto oferece oportunidade de se conversar com os políticos a respeito da busca de solução para interesses efetivos das comunidades.

 

Inspirado em experiências bem-sucedidas que transformaram a realidade socioeconômica de cidades como Medelin, na Colômbia, e Essen, na Alemanha, o projeto da Federaminas-Codemig estima, no período de um ano, divulgar abrangente diagnóstico das potencialidades e demandas mais indicadas para promover o desenvolvimento das diversas regiões mineiras.


Por ser executado pela própria sociedade, o trabalho deve contribuir para o seu efetivo empoderamento, diz ele, para lembrar que o desenvolvimento de uma nação inicia-se, necessariamente, pela célula municipal. Esta é a filosofia do Pró-Município, ou seja, buscar o equacionamento dos problemas enfrentados pelas comunidades por meio da integração de suas forças – entes públicos e privados e sociedade civil.

 

Para realizar o projeto, a Federaminas conta com parceria com consultores da federação empresarial de Santa Catarina (Facisc), que já trabalham com a mesma metodologia há nove anos. Ela foi  implementada em 24 cidades daquele estado, conforme cases de sucesso expostos nos eventos de apresentação do Pró-Município.